Carnaval espera retorno em meio à vitória do Brasil no Covit-19 | América Latina | DW

O Brasil vacinou mais de 75% de sua população, a taxa de incidência de sete dias caiu para apenas 30 e algumas unidades de terapia intensiva (UTIs) nas principais cidades não têm nem um único paciente com COVID-19. Com as comemorações do carnaval marcadas para começar em fevereiro, tudo isso pressiona o governo a não perder o evento icônico, já que foi cancelado no ano passado.

A luta do Brasil contra o vírus corona é interessante e mostra que países como a Alemanha podem aprender muito com ele sobre como superar a epidemia. Apesar de o Brasil ser mais gravemente afetado pelo vírus corona do que qualquer outro país, mais de 614.000 mortes por COVID-19 – a terceira maior do mundo depois dos Estados Unidos e da Índia.

Pessoa recebe terceira injeção da vacina em salão comunitário do Rio de Janeiro

O primeiro carnaval está cancelado, os outros ainda estão esperançosos

Por causa dessa dolorosa experiência, 58 cidades do estado de São Paulo já cancelaram novamente as comemorações do carnaval, com medo do impacto do Govt-19. Eles incluem Salvador, Dandelion, Sorokaba e Bo e Suzano.

Mas muitos brasileiros ainda acreditam que não perderam tudo. O painel recém-formado em Recife, Belo Horizonte e Rio de Janeiro deve tomar uma decisão final nas próximas semanas sobre se as comemorações serão o destaque anual do Brasil.

“Em países como a Alemanha, a vacina chegou muito rápido, e agora há problemas para chegar a todos os segmentos da população. Aqui foi o contrário: primeiro não tinha acesso à vacina no Brasil, depois as pessoas queriam. A vacina foi dado o mais rápido possível “, disse o epidemiologista Ricardo Palacios. “Mas estamos acompanhando as lutas antivacinação na Europa de muito perto porque podem nos dar uma nova onda quando vierem ao Brasil para o carnaval”.

READ  2 Ex-carpinteiro manual XX lidera reoperações da BMS na Prosil Broker

Mais de dois milhões de turistas costumam ir aos festivais do Rio e jantar em locais próximos.

Ricardo Palacios, epidemiologista de São Paulo

O epidemiologista Ricardo Palacios é um dos principais cientistas da luta brasileira contra a epidemia de COVID-19.

Altos níveis de confiança na vacina

Nascido na Colômbia, Palacios é um dos principais epidemiologistas da América Latina. Ele também é mais conhecido por seu trabalho no Butão, um importante centro de pesquisa estatal. Palacios chefiou o internacionalmente aclamado “Projeto S”. O título se refere a uma experiência na pequena cidade de Serrana, no sul do Brasil – com população de cerca de 45 mil anos atrás, Serrana se tornou a primeira cidade do mundo a ser completamente vacinada.

Agora, todo o Brasil está em vias de se tornar modelo – 98% das primeiras vacinações entre adultos em São Paulo e 95% no Rio. Além disso, nenhuma das duas megacidades registrou mortes no Govt-19 em poucos dias.

“O Brasil tem um programa de vacinação há mais de cinco décadas que fornece às pessoas uma quantidade invejável de vacinas”, disse Palacios. “O sucesso do Brasil está ligado às instituições governamentais de pesquisa, como Butão ou Fiocross, de um lado, e à população dependente de vacinas.

A vacina teve sucesso apesar de Polzanaro

O sucesso da vacina no Brasil é surpreendente, já que sua população de 212 milhões inclui um dos maiores suspeitos de Covid-19 do mundo, Jair Bolsanaro. Ele subestimou a infecção, disse que era uma “cheirada” de COVID-19, zombou dos que usavam máscaras e disse seriamente que as vacinas podem transformar as pessoas em crocodilos. O presidente de extrema direita também suspendeu os contratos com a fabricante de vacinas Pfizer por meses.

READ  Setor de TI do Brasil vê crescimento em meio à crise do Covit-19

“Infelizmente, desde o início da epidemia, o vírus corona está politizado aqui”, disse o epidemiologista Juliel Ribeiro. “Fizemos grandes avanços na vacinação nos últimos meses, mas temos um presidente e muitos funcionários e médicos ainda duvidam da eficácia da vacina”, disse ele.

Jair Bolzano

O presidente brasileiro, Jair Bolsanaro, fez barulho com seus relatórios triviais de epidemias e vacinas.

O especialista enfatiza cautela

O epidemiologista trabalha para a Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas (SBI) e luta incansavelmente com negadores científicos como o Bolsanaro desde o início do surto.

Ribeiro parece ter vencido a guerra: no Brasil, teatros, museus e até supermercados estão sendo transformados em postos de vacinação, para os quais estão sendo fechadas estradas. A uma taxa de mortalidade de um para cada 350 cidadãos, quase todos os brasileiros perderam alguém próximo a eles. Eventualmente, isso fez com que os partidários do presidente fossem vacinados em massa.

“A vacina agora deve ser aprovada rapidamente para pessoas entre 5 e 11 anos”, disse Ribeiro. O Brasil, ao contrário da Alemanha, já planeja vacinas de reforço há muito tempo e as dificuldades de planejamento são inéditas.

Anualmente, o país administra vacinas contra a gripe a 80 milhões de pessoas em seis semanas. No entanto, o epidemiologista alerta que o carnaval não deve arruinar as vitórias conquistadas com dificuldade no combate à epidemia.

Juliel Ribeiro

O epidemiologista Juliel Ribeiro se preocupa em hospedar eventos de massa e diz que seu maior medo é uma nova variante que evite todas as vacinas.

Festa apenas se vacinado

“Até que todos os países do mundo entendam isso como uma tarefa coletiva de controle da epidemia, sempre teremos que responder às novas ondas do vírus corona”, disse Ribeiro. “Meu medo é que em algum ponto surja uma variação. Nossas vacinas podem ser omitidas. Então, temos que começar tudo de novo.”

READ  Brasil vai nomear novo ministro da Saúde enquanto segunda onda de governo se intensifica

O futuro do carnaval do Rio em 2022 está em jogo, embora políticos como Daniel Sorens, o ministro da Saúde da cidade, estejam determinados a manter vivas suas esperanças. Ele anunciou recentemente a maior celebração do festival da história.

Mas Sorens deixou uma coisa clara: se a festa realmente acontecesse, cada espectador precisaria de algo diferente de um vestido – um certificado de vacinação.

Este artigo foi traduzido do alemão

Editado por: John Shelton

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply


Copyright © prefeituraconcursos.com.br.
prefeituraconcursos.com.br is a participant in the Amazon Services LLC Associates Program, an affiliate advertising program designed to provide a means for sites to earn advertising fees by advertising and linking to Amazon.com.br. Amazon, the Amazon logo, AmazonSupply, and the AmazonSupply logo are trademarks of Amazon.com, Inc. or its affiliates.
….
Prefeitura Concursos